Acessibilidade
23 de fevereiro de 2024

Alunos de escolas municipais terão acesso a Programa de Educação Tecnológica

QUALIDADE

Alunos de escolas municipais terão acesso a Programa de Educação Tecnológica

Levar o conhecimento tecnológico à sala de aula. Essa é diretriz do Programa de Educação Tecnológica e Iniciação Científica, o Proetic, lançado na manhã desta terça-feira (12), na sede da Secretaria de Educação de Limeira. O prefeito Mario Botion, o secretário de Educação, André De Francesco, o presidente da Câmara Municipal, Everton Ferreira, e o vereador Elias Barbosa acompanharam o evento. Elias Barbosa é autor da Lei 6.809, sancionada no ano passado por Botion, que assegura aos estudantes da Rede o acesso ao ensino de robótica.

 

Botion destacou o investimento de R$ 33 milhões na área de Educação, que culminou com a implantação do Proetic. Desse total, R$ 21 milhões destinaram-se à compra de 1.870 notebooks e de 1.819 computadores. Os outros R$ 12 milhões foram empregados na aquisição de robótica educacional, em plataformas tecnológicas e na capacitação dos professores. “Estamos avançando ainda mais na área de Tecnologia da Educação, colocando a Rede Municipal entre as melhores do país”, frisou o prefeito.

 

O Proetic sustenta-se em cinco vertentes: criação da disciplina de “Linguagens e Tecnologias”; desenvolvimento do Currículo de Tecnologia; instalação de laboratório de informática; abertura de salas de robótica nas escolas e estruturação do Núcleo de Educação Tecnológica (NET). Este último, abriga a Sala Maker, salas de programação, robótica, “gamificação”, formação de professores e estúdio de “podcast”.

 

Ao apresentar o Proetic, André De Francesco agradeceu à equipe do Núcleo de Tecnologia da pasta e aos parceiros do programa, entre eles, o Instituto Votorantim e o Sesi, além de professores, coordenadores e diretores de escolas municipais. “Hoje é um dia com significado especial, pois estamos mostrando o patamar de qualidade que a educação pública de Limeira alcançou”, afirmou.

 

INSTALAÇÕES

 

Após a apresentação, o público visitou as instalações do programa, que ocupam três salas no piso térreo da Secretaria de Educação. Os espaços foram adesivados e receberam equipamentos adequados para cada uma das atividades. Criada em parceria com o Instituto Votorantim, a Sala Maker, por exemplo, possui quadro de ferramentas, materiais diversos e uma impressora 3D. O local já estava em funcionamento, e agora, foi incorporado ao Proetic.

 

Uma das professoras maker, Daniella Castellar Bueno, informou que a sala atendeu, ao longo do ano, 20 mil alunos, do infantil à Educação de Jovens e Adultos (EJA). Com nove cursos de pós-graduação no currículo, além do mestrado em andamento em Tecnologias da Educação, pela Must University, a professora estava entusiasmada com a nova etapa. “O ensino maker abre os horizontes dos estudantes, principalmente por oferecer a possibilidade de trabalhar os conteúdos de forma prática”, ressaltou.

 

Sofia Coutinho, de 10 anos, aluna do 4º ano da Emeief Aracy Nogueira Guimarães, já é veterana nas atividades da Sala Maker. Ao lado de sua equipe de trabalho, ela mostrou sua pequena invenção, uma escova autolimpante, que funciona por meio de uma bateria acoplada à parte superior do dispositivo. “Usei vários materiais, como o conector, que eu ainda não conhecia”, disse.